Jaru: Deputado Lazinho da Fetagro pede desfiliação e deixa o PT esta semana

Publicada em


O deputado estadual Lazinho da Fetagro, apresentou no último dia 03, ao Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT), uma carta de desfiliação da sigla, o parlamentar deve ingressar no PSB.

 

A desfiliação põe fim a uma jornada de quase 40 anos de militância junto ao PT. A saída de Lazinho ficou marcada por uma série de conflitos internos entre o parlamentar e alguns membros da diretoria que chegaram a divulgar sua expulsão, sem ela de fato ter ocorrido.

 

Em suas considerações, o parlamentar descreveu alguns dos motivos que o levaram a tomar a decisão, “disputas internas do Partido mais uma vez transformam a militância numa briga de poderes, de ambições, numa disputa de egos, fazendo que, em vez do fortalecimento do partido fora e dentro do parlamento, opta-se em transformar tudo num circo na mídia, desacreditando mais uma vez o partido”.

 

Lazinho também relembrou episódios que chegaram a evoluir para ofensas pessoais “usaram palavras de baixo calão, acusações inverídicas, uso de espaços na mídia, com o único objetivo de difamar e diminuir o mandato e a mim mesmo. A situação me deixou triste por ver que os interesses do partido e a busca pelo próprio fortalecimento ficou pequena diante da perseguição e da rixa pessoal”, destacou Lazinho.

 

 

Na oportunidade Lazinho também descreveu sua trajetória de ascensão na política junto ao partido, sempre marcada pelas lutas sociais e sindicais, em especial, as ligadas à agricultura familiar.

 

O parlamentar relatou que iniciou sua vida na política como secretário municipal em Jaru, no ano de 2010 disputou sua primeira eleição para o cargo de deputado estadual, ficando apenas como suplente, em 2014 se elegeu para seu primeiro mandato como deputado, presidiu a Fetagro por dois mandatos, e em 2018 foi reconduzido a ALE por meio da maior votação obtida por um deputado estadual do PT em Rondônia, 14.908 votos, no entanto a expressiva votação quase não foi suficiente para garantir sua reeleição que foi posto em risco por decisão do partido, que optou por não coligar-se com o PDT, não fazendo assim a nominata necessária.

 

Esta foi uma das divergências entre Lazinho e membros da diretoria que somaram outros impasses internos. O deputado chegou a mover ação judicial contra companheiros de partido, ganhando em duas instâncias.

 

 

Ao final Lazinho agradeceu ao partido em nome dos “verdadeiros” companheiros que tiveram ao seu lado.

 

Destacando gratidão em especial ao movimento sindical rural, reafirmando que independente de sua nova sigla, manterá sua pauta de defesa a agricultura familiar, dos setores sindicais, e dos direitos dos trabalhadores.

Veja carta na integra aqui!