Volta às aulas: Veja quando o ensino presencial retorna na sua cidade em Rondônia

Publicada em


Após o ministro da Educação, Milton Ribeiro, defender o retorno das aulas presenciais, algumas cidades de Rondônia já divulgaram datas para a volta do ensino público municipal.

Em Porto Velho, de acordo com a “Secretaria Municipal de Educação (Semed), a previsão é de que as aulas presenciais voltem em agosto. Com o adiantamento da segunda dose da vacina contra Covid-19 para os servidores da Educação, essa previsão fica mais próxima da realidade”.

Abaixo, veja quando deve retornar a aula presencial na sua cidade:

Calendário de volta às aulas nas cidades de RO

Município Data de retorno
Alta Floresta do Oeste 9 de setembro de 2021.
Alto Paraíso Previsão para setembro.
Alto Alegre dos Parecis
Alvorada do Oeste Sem previsão.
Ariquemes
Buritis Previsão para setembro.
Cabixi
Cacaulândia
Cacoal 23 de agosto de 2021.
Candeias do Jamari Segue de forma remota.
Campo Novo de Rondônia
Castanheiras
Cerejeiras 23 de agosto de 2021.
Chupinguaia
Corumbiara
Costa Marques Sem previsão.
Colorado do Oeste
Cujubim
Espigão do Oeste 16 de agosto de 2021.
Guajará-Mirim Sem previsão.
Governador Jorge Teixeira Previsão para setembro.
Itapuã do Oeste Previsão para agosto.
Ji-Paraná Sem previsão.
Jaru Sem previsão.
Machadinho d’Oeste
Mirante da Serra Previsão para setembro.
Ministro Andreazza
Monte Negro
Nova Brasilândia d’Oeste
Nova Mamoré Previsão para outubro.
Nova União Sem previsão.
Novo Horizonte
Ouro Preto do Oeste Previsão para setembro.
Parecis
Pimenta Bueno 19 de julho de 2021.
Pimenteiras do Oeste
Porto Velho Previsão para agosto.
Presidente Médici Previsão para agosto.
Primavera de Rondônia
Rolim de Moura 27 de setembro de 2021 – apenas para 30% dos alunos.
Rio Crespo Segue de forma remota.
Santa Luzia
São Francisco do Guaporé 9 de agosto de 2021.
São Miguel do Guaporé Sem previsão.
São Felipe d’Oeste
Seringueiras Sem previsão.
Teixeirópolis Sem previsão.
Theobroma Previsão para setembro.
Urupá Sem previsão.
Vale do Anari Previsão para setembro.
Vale do Paraíso 16 de agosto de 2021.
Vilhena 27 de setembro de 2021.

Presencial ou híbrido?

Conforme o chefe do poder executivo de Rondônia, inicialmente será aplicado um modelo de retorno híbrido para melhor atender os pais, alunos e professores.

Em Rio Crespo, a prefeitura informou que segue de forma remota, mas 70% dos alunos não tem acesso a internet, pois moram na área rural e precisam de transporte escolar. Dessa forma, dependem do decreto estadual para retomar às aulas, já que o transporte atende tanto estado, quanto município.

Se houver adiantamento da 2ª dose…

Em algumas cidades, a data de retorno das aulas presenciais pode ser antecipada, caso a 2ª dose da vacina contra a Covid-19 seja administrada antecipadamente nos profissionais da educação.

Em Cacoal, o retorno pode ser antecipado para o dia 1 de agosto, caso os profissionais tomem a 2ª dose do imunizante antes dessa data.

Rolim de Moura também pode sofrer alteração na data, caso a aplicação da segunda dose nos profissionais da educação seja adiantado.

A prefeitura de Mirante da Serra aguarda uma resposta da Secretaria Municipal de Saúde sobre o possível adiantamento da segunda dose da vacina para os professores.

Vilhena também informou que caso se houver antecipação da dose de reforço dos profissionais da educação, o retorno das aulas também poderá ser antecipado.

Quem sabe ano que vem

A prefeitura de São Miguel do Guaporé informou que ainda não definiu se o retorno será este ano ou somente no ano que vem. Costa Marques também não definiu se as aulas voltam em 2021 ou apenas em 2022.

Rede estadual

Na rede pública de ensino gerenciada pelo governo de Rondônia, o retorno da aula presencial será no próximo dia 9 de agosto. O anúncio foi feito pelo governador Marcos Rocha.

“No próximo dia 9 [de agosto] terá início a execução do plano de retorno às aulas presenciais na rede pública estadual de ensino, elaborado pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc), com a cooperação de órgãos de controle. O plano respeita todos os protocolos sanitários, visando a segurança dos trabalhadores da educação e alunos”, diz Marcos Rocha.