Presidente do GJT Previ detalha operação que descobriu desvios de dinheiro na Previdência Municipal

Presidente do GJT Previ detalha operação que descobriu desvios de dinheiro na Previdência Municipal

O atual Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do município de Governador Jorge Teixeira (RO), o servidor público Edivaldo de Menezes (Dezão), conversou com o Portal JT na tarde desta segunda-feira (17)  em sua sala de trabalho e, de posse de farta documentação, mostrou detalhes da denúncia protocolada junto ao Ministério público de supostos desvios de valores que estariam ocorrendo nas contas do GJT PREVI no mandato do seu antecessor, e apontou as providências que estão sendo adotadas para amenizar os prejuízos causados aos cofres do fundo previdenciário.

Conforme relatou “Dezão”, tudo começou quando a contabilidade do Instituto verificou o estorno de um débito feito numa conta da Caixa econômica federal,  correspondente ao pagamento a uma pessoa que não é do quado de servidores do municipio. Após ser informado pelo banco do que ocorreu, o novo presidente reuniu os membros do conselho fiscal e começou a averiguar o que de fato estava acontecendo.

Apurada a movimentação financeira, somente em uma das contas do GJT PREVI, a do Banco do Brasil, a comissão comprovou que nos três últimos anos do mandato do ex-presidente, exatos R$ 583.773,98 teriam sido desviados da previdência municipal. De acordo com o levantamento feito, no período de Março a Abril de 2016, R$ 171.000 saiu ilegalmente do Instituto; Já de Janeiro a Dezembro de 2017, R$ 224.000,00 sumiram do fundo previdenciário; e em 2018, de Janeiro a Setembro, R$ 191.000,00 reais foram parar em contas alheias ao fundo de previdência.

Evidenciadas as suspeitas, de acordo com o Presidente “Dezão”, o Ministério público foi comunicado do que estava acontecendo. Após um mês e meio de investigação da Promotoria junto com a Policia civil de Jaru, chegou-se a conclusão de que o ex-presidente do Regime de  previdência própria dos servidores de Governador Jorge Teixeira, o servidor público Marcos Vânio da Cruz, é suspeito de ter desviado para contas de parentes, de empresas e de pessoas que com ele trabalhavam numa empresa de ônibus, o valor aproximado a R$ 600 mil reais. Apurou-se também, preliminarmente, que nome de servidores da prefeitura eram usados para a prática do suposto delito. Conforme documentos, Servidores que tiravam licenças médicas, mesmo voltando a ativa, continuavam sendo “pagos” pelo Instituto.

Dezão” lamentou o que aconteceu no Instituto no período que está em investigação, e disse ao Site que o objetivo desses esclarecimentos é tão somente para tranquilizar os funcionários públicos quanto a real situação em que se encontra as finanças do GJT PREVI. “Quero aproveitar a matéria e dizer para todos os servidores da Prefeitura de Governador Jorge Teixeira que lamentamos profundamente o que vinha ocorrendo. Dizer que todas as providências possíveis estão sendo tomadas para reavermos esses valores supostamente desviados do fundo, acrescentando que o sequestro dos veículos de provável propriedade do investigado estão sob nossa guarda até que se resolva todas as pendências do processo“, destacou o Presidente do Instituto. 

Os veículos apreendidos na operação do MP e da Policia civil, estão, alguns, no pátio da Prefeitura de Jorge Teixeira aos cuidados e sob a guarda do GJT Previ.

O Portal JT coloca-se à disposição de Marcos Vânio e de seu advogado para, querendo, refutar as acusações que pesam sobre o ex-presidente do Instituto.

Bens do ex-presidente do GJT PREVI sequestrados pela justiça

Bens do ex-presidente do GJT PREVI sequestrados pelo poder judiciário recolhidos no instituto

20181217_173842
bens

I

Portal JT

Comentários