Organização ambiental rondoniense integra rede oficial de parceiros pela Década da Restauração

Publicada em


Década da Restauração

Rioterra integra rede de parceiros da ONU em ações pela Década da Restauração

Entre as ações da organização ambiental está a meta de plantar 50 milhões de árvores até 2030

Na promoção de ações para a restauração de ecossistemas ao redor do mundo, a Organização das Nações Unidas (ONU) tem reunido parceiros através do movimento “Década da Restauração” e o Centro de Estudos Rioterra foi uma das organizações ambientais brasileiras convidadas a integrar esta rede mundial.

Em comunicado oficial, o Coordenador de Parcerias do movimento Década das Nações Unidas para Restauração de Ecossistemas 2021-2030, Jean-Philippe Salcedo, parabenizou a instituição por seu trabalho na Amazônia.

“Parabenizamos vocês pelo trabalho de restauração na Amazônia em parceria com pequenos produtores, populações indígenas e tradicionais. Ao reflorestar mais de 5,5 mil hectares, além de produzir e doar mais de 6 milhões de mudas para pequenos produtores e populações indígenas, vocês fazem parte do movimento global crescente #GenerationRestoration”.

Única organização não governamental de Rondônia signatária do Pacto Global, iniciativa da ONU para encorajar empresas na adoção de políticas de responsabilidade corporativa nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e anticorrupção, o Centro de Estudos Rioterra integra também este movimento da ONU por sua experiência de mais de 10 anos em pesquisas no Setor Agroflorestal e na implementação de projetos de restauração florestal em escala.

“Por já sermos membros do Pacto Global, fomos convidados a integrar mais este movimento da ONU como uma das vozes na Amazônia em prol da restauração e da conservação florestal com o objetivo de frear o aquecimento global”, explicou Alexis Bastos, coordenador geral de Projetos do Centro de Estudos Rioterra.

Entre as contribuições do CES Rioterra no cumprimento dos objetivos estabelecidos pela ONU para a Década da Restauração está uma meta ousada: plantar 50 milhões de árvores na Amazônia. Desse objetivo, cerca de 7 milhões de mudas já foram produzidas e doas para reflorestar áreas degradadas em Unidades de Conservação e em propriedades da agricultura familiar de Rondônia nos últimos 10 anos.

CAMPANHA

Até 2030, o movimento Década da Restauração tem como principal objetivo restaurar 350 milhões de hectares de ecossistemas terrestres e aquáticos degradados em todo o planeta. Ação que poderá gerar US$9 trilhões em serviços ecossistêmicos e remover até 26 gigatoneladas de gases de efeito estufa da atmosfera.