Jaru Online
Jaru, 28 de maio de 2024

Julho Amarelo: conscientização e prevenção contra as hepatites virais

Olá Maico Gean, tudo bem?

A seguir, apresento a você esta sugestão de pauta com uma grande relevância pública. As hepatites virais, um problema que afeta milhões de pessoas em todo o mundo e que ainda é pouco conhecido pela população em geral.

Para conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce das hepatites virais, foi criada a campanha Julho Amarelo.

Espero que goste da pauta!

Julho Amarelo: conscientização e prevenção contra as hepatites virais

As hepatites virais são um grave problema de saúde pública em todo o mundo e, para conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce, foi criada a campanha Julho Amarelo.

A campanha “Julho Amarelo: mês de luta contra as hepatites virais” foi instituída no Brasil pela Lei nº 13.802/2019 e tem por finalidade reforçar as ações de vigilância, prevenção e controle da doença.

 

As hepatites virais são inflamações do fígado que podem ser causadas por diferentes tipos de vírus, classificados pelas letras A, B, C, D (Delta) e E. Essas doenças podem ser transmitidas de diversas maneiras, como contato com sangue contaminado, relação sexual desprotegida, compartilhamento de objetos cortantes ou de higiene pessoal e por meio de alimentos e água contaminados. Os sintomas podem variar de acordo com o tipo de vírus e a gravidade da infecção, mas incluem febre, mal-estar, dor abdominal, náuseas, vômitos, perda de apetite, urina escura e icterícia (amarelamento da pele e dos olhos).

 

A médica e diretora da Salus Imunizações, Dra. Marcela Rodrigues, explica que hepatite A, por exemplo, é transmitida principalmente por meio de alimentos e água contaminados e pode ser prevenida por meio da vacinação. Já a hepatite B e C são transmitidas por contato com sangue contaminado, sendo a hepatite C a mais comum entre usuários de drogas injetáveis. A vacinação também é uma medida preventiva importante para a hepatite B, mas a hepatite C ainda não possui vacina, sendo fundamental o uso de medidas de prevenção, como não compartilhar seringas e agulhas.

 

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para o controle das hepatites virais. Exames regulares de sorologia para hepatite B e C são importantes, especialmente para aqueles que possuem maior risco de infecção, como profissionais de saúde, pessoas que usam drogas injetáveis e aqueles que receberam transfusões de sangue ou transplantes de órgãos antes de 1993. Além disso, é importante que as pessoas sejam informadas sobre a importância da realização desses exames e que tenham acesso ao tratamento adequado, que pode incluir medicamentos antivirais.

 

Dados e estatísticas reforçam a importância da prevenção e do diagnóstico precoce das hepatites virais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 325 milhões de pessoas em todo o mundo, vivem com hepatite B ou C, e essas doenças são responsáveis por aproximadamente 1,4 milhões de mortes anualmente. No Brasil, estima-se que 1,5 milhão de pessoas estejam infectadas com o vírus da hepatite C, e a taxa de mortalidade por essa doença pode ser comparada às do HIV e tuberculose.

 

Por isso, a conscientização e a prevenção são fundamentais para o controle das hepatites virais. A vacinação é uma medida importante para a prevenção da hepatite A e B, e a adoção de medidas de prevenção é fundamental. Além disso, é importante que as pessoas realizem exames regulares, especialmente aquelas que possuem maior risco de infecção, e que tenham acesso ao tratamento adequado.

 

“É de extrema importância que a população esteja informada sobre as hepatites virais e as formas de prevenção e diagnóstico precoce. A campanha Julho Amarelo é uma oportunidade para reforçar o combate a essas doenças e conscientizar a população sobre a importância da vacinação e da adoção de medidas preventivas simples. Com a conscientização e a prevenção, podemos controlar as hepatites virais e garantir a saúde e o bem-estar de todos.” Finaliza a Dra. Marcela Rodrigues.

 

Mais Sobre Marcela Rodrigues: Diretora da Salus Imunizações

Médica com graduação e residência em dermatologia pela faculdade ciências médicas de Santos, atuando há 25 anos na área da saúde.

Membro sociedade brasileira de dermatologia.

Membro sociedade brasileira de imunização.

Membro da associação brasileira de melanoma.


COMPARTILHAR