Jaru Online
Jaru, 28 de maio de 2024

Incêndio criminoso destrói área de 270 hectares que estava sendo recuperada em unidade de conservação de RO

Local já tinha sido destruído antes por grileiros e passava por um processo de recuperação florestal. Polícia Militar e Ministério Público acreditam que essa é uma forma de obstruir as ações desenvolvidas pelo estado que têm o condão de manter a proteção das unidades de conservação

Um incêndio devastou uma área equivalente a cerca de 270 campos de futebol na Reserva Extrativista Estadual Rio Preto Jacundá, em Rondônia. O local já tinha sido destruído antes por grileiros e passava por um processo de recuperação florestal.

O projeto é realizado pela ONG Rio Terra, governo de Rondônia e investidores. Quase 400 mil mudas de 100 espécies diferentes de árvores foram plantadas na reserva, entre elas espécies ameaçadas de extinção, como castanheira, cedro e mogno. Todas elas foram destruídas pelo fogo.

A Polícia Militar (PM) e o Ministério Público de Rondônia acreditam que o incêndio foi intencional, como uma forma de obstruir as ações desenvolvidas pelo estado que têm o condão de manter a proteção das unidades de conservação.

“Indicam sim que o incêndio é criminoso e que muito provavelmente ele tenha sido originário de pessoas que viviam naquela região atuando de forma criminosa com grilagem de terras públicas e praticando inúmeros ilícitos ambientais. Eles viam essa ação da empresa [de reflorestamento] como algo oposto aos interesses deles ali, nesse caso em específico para impor danos econômicos significativos também a ponto dela até se desinteressar pela atuação incisiva que ela está tendo naquela localidade”, aponta o procurador do MP-RO, Pablo Hernandez Viscardi.

Segundo a PM, a dificuldade de locomoção e grande extensão da área são apenas algumas das dificuldades que as forças de segurança enfrentam em casos como esse e que muitas vezes inviabilizam as prisões em flagrantes dos suspeitos.

“Os infratores traçam “picadas” dentro da mata e pra gente poder chegar até esses locais às vezes gasta um dia. Eles utilizam material para que fure o pneu das viaturas, eles derrubam árvores no meio do caminho. Quando a gente pega os flagrantes, normalmente é de surpresa, situação em que eles não imaginam que a nossa equipe vai ser lá naquele local”, relata o Tenente da Polícia Militar Ambiental de Rondônia, Marcilei Costa e Silva.

Um relatório enviado para o Grupo Especializado em Meio Ambiente (Gaema) do MP-RO aponta suspeitos de praticar crimes ambientais dentro da reserva Rio Jacundá e interromper o projeto de recuperação causando danos ao meio ambiente.

“Normalmente se inicia com a retirada da madeira nobre e depois começa um processo de grilagem. É feita a derrubada das árvores da vegetação excedente é transformada aquela região em pastagem. Só disso a gente tem uma série de danos ambientais porque envolve todo prejuízo para a fauna, a flora, pra beleza daquela natureza”, comenta o Procurador Geral de Justiça do MP-RO, Ivanildo de Oliveira.

Recomeço

Para quem luta na proteção da floresta, queimadas criminosas servem como combustível para o andamento dos trabalhos. A Rio Terra já prepara milhares de mudas para reerguer as árvores, quantas vezes forem necessárias.

“O ocorrido aqui acaba como alerta para que esse processo de restauração seja de A a Z. Inicie desde financiamentos para implantação até a parte de monitoramento de todas as áreas”, ressalta a presidente do Centro de Estudos Rioterra, Fabiana Barbosa.

“É olhar pra frente, tentar fazer tudo de novo. Eles queimaram tudo, mas não queimou o que a gente aprendeu aqui, não queimou nossa vontade de fazer tudo de novo. Hoje em dia a gente tem muito mais capacidade de fazer e fazer melhor”, complementa o colaborador da RioTerra, Milton da Costa.

Fonte G1 Rondônia


COMPARTILHAR