Família de um dos desaparecidos após avião que saiu de RO sumir pede quebra de sigilo telefônico

Família de um dos desaparecidos após avião que saiu de RO sumir pede quebra de sigilo telefônico

A família de Joerli Silvares Teixeira, de 34 anos, um dos ocupantes do avião que desapareceu após sair de Espigão D’Oeste (RO) com destino a Fortaleza (CE), entrou na Justiça com uma medida cautelar de urgência para tentar uma quebra de sigilo telefônico.

O último contato feito por Joerli com os parentes foi no dia 28 de abril pelo celular, data do desaparecimento. O piloto do avião, identificado apenas como Júnior, também continua desaparecido. O pedido é analisado.

O objetivo é conseguir com que a operadora de telefonia forneça dados que possam auxiliar nas buscas pela aeronave, Joerli e o piloto Júnior. Equipes da Força Aérea Brasileira (FAB) seguem com os trabalhos de busca, que chegou ao quarto dia nesta terça-feira (14).

Joerli Silvares Teixeira, de 34 anos, fez o último contato com a família no dia 28 de abril.  — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Joerli Silvares Teixeira, de 34 anos, fez o último contato com a família no dia 28 de abril. — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

À Rede Amazônica, a família informou que entrou com o pedido assim que se deu conta do sumiço. Com a possível quebra de sigilo, a esperança dos parentes é conseguir rastrear o local onde o avião de pequeno porte possa estar através da detecção do último sinal do telefone.

A medida cautelar de urgência foi protocolada na Vara Cível de Cacoal (RO), município a 480 quilômetros da capital Porto Velho, e está sendo analisada.

Buscas

Até o momento, a Força Aérea Brasileira não conseguiu detectar qualquer sinal do avião, nem mesmo dos desaparecidos.

A Salvaero Amazônico, unidade da FAB responsável pelas buscas na Região Norte, disse estar usando uma aeronave que tem eletro-óptico de busca por imagem e por aspectro infra-vermelho.

Tais recursos permitem, por exemplo, que um avião seja encontrado mesmo que encoberto pela vegetação. Ou até mesmo uma pessoa no mar.

Aeronave que tem eletro-óptico de busca por imagem é usado pela FAB nas buscas.  — Foto: Cb Feitosa/Força Aérea Brasileira

Aeronave que tem eletro-óptico de busca por imagem é usado pela FAB nas buscas. — Foto: Cb Feitosa/Força Aérea Brasileira

Desaparecimento

O trabalho de busca começou no último sábado (11). Joerli é de Cacoal, mas mora em Espigão D’Oeste. Já Júnior reside em Fortaleza (CE). A família do piloto ainda não foi localizada. O paradeiro de ambos é incerto desde o fim do mês passado.

Joerli e Júnior sumiram após saírem de Espigão com destino Fortaleza. A previsão era de primeiro de abastecer a aeronave na cidade de Redenção, no Pará.

Ao notarem a falta de contato de Joerli, os parentes resolveram dar início às buscas por conta própria. Alugaram um avião e sobrevoaram a região de Peixoto de Azevedo, localizado no Mato Grosso (MT), local onde a família diz ter sido o último sinal emitido pelos dois.

Por isso, o boletim de ocorrência de desaparecimento foi registrado na Polícia Civil do estado vizinho. A FAB informou, por meio de nota, que foi notificada do caso no dia 7 de maio.

Comentários