Desembargador que assinou o mandado de prisão dos cinco políticos diz estar “revoltado e traumatizado” com tal comportamento

Publicada em


A ordem de prisão estava assinada cerca de dez dias antes da operação acontecer. Os quatros prefeitos e ex-deputado continuam detidos em Ji-Paraná.

Policial Federal fazendo busca e apreensão na casa de um dos políticos

Nesta última sexta feira (25) aconteceu a prisão de cinco políticos envolvidos na operação Reciclagem, porém essa determinação já estava autorizada desde 14 de setembro, quando foram assistidos os vídeos em que comprovam as propinas sendo recebidas por esses políticos.

A ordem de prisão de Gislaine Clemente (de São Francisco do Guaporé), Glaucione Rodrigues Neri (de Cacoal), Luiz Ademir Schock (de Rolim de Moura), Marcito Pinto (de Ji-Paraná) e Daniel Neri (ex-deputado) se tornou rigorosamente necessária mediante tantas provas.

Segundo a investigação dirigida pela Polícia Federal (PF), os relatos são de que esses políticos exigiam pagamentos de certos valores para um determinado empresário que tinha contrato com os municípios. Cada pagamento era feito esquematizado, com mesmo padrão, sendo em hotéis, sedes de prefeitura, empresa e outros locais.

Tudo ocorria normal, até o empresário decidir fazer uma delação a polícia e para isso filmou alguns desses recebimentos de propina, quais foram entregues para a Justiça tomar iniciativa na operação reciclagem.