Vídeo: Esquema de fraude de certificados em escola estadual beneficiou presos com progressão de pena

Vídeo: Esquema de fraude de certificados em escola estadual beneficiou presos com progressão de pena

Presidiários são os principais beneficiários do esquema de falsificação de históricos e certificados escolares descoberto por investigações da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), de Porto Velho, nesta sexta-feira (5), quando foi deflagrada a Operação Vida Espúria. Em coletiva de imprensa, a polícia confirmou ainda o envolvimento de servidores públicos da Escola Estadual Maria Carmosina Pinheiro, mas ainda não é possível saber a quantidade de documentos falsificado. As investigações continuam

Segundo a polícia, as investigações começaram há três semanas e foi possível identificar o funcionário que praticava o crime, além de pessoas que foram beneficiadas, entre elas apenados do sistema prisional, que teriam utilizado para ter direito a benefícios. “Eles teriam se valido desses documentos para adquirir vantagens e benefícios no sistema prisional”, esclareceu o delegado Swami Otto.

Em alguns casos, os beneficiados com a falsificação não estudavam na escola ou ainda estavam matriculados, mas não tinham concluído as séries do ensino médio. No entanto, os arquivos da escola eram adulterados e inserida a informação falsa de conclusão. “Logo em seguida aparecia outra documentação dizendo que o aluno tinha concluído o ensino médio”, completou.

Ainda conforme a polícia, foi descartado o envolvimento da direção da escola, mas foram apreendidos grande quantidade de documentação e computadores. “Esses documentos apreendidos vão colaborar com as investigações da polícia. Apreendemos os computadores para que a gente possa identificar arquivos que possuem dados para a confecção dos históricos e outros documentos”, afirmou o delegado.

No total, a polícia cumpriu 10 mandados de busca e apreensão, três mandados de proibição de acesso a determinados locais e um mandado de afastamento da função pública, além da ouvir os investigados.

As provas coletadas também vão ajudar a polícia a identificar mais pessoas que possam ter se beneficiado do esquema fraudulento ou até mesmo o envolvimento de outros servidores.
As vantagens aferidas pelos servidores ainda estão sendo apuradas pela polícia. Se houver a confirmação de alguns elementos configurem crimes de corrupção ativa e passiva ou organização criminosa dependendo da quantidade de pessoas envolvidas.

Durante a manhã, os policiais ouviram e indiciaram funcionários da escola e pessoa adquiriram os certificados. Cerca de 32 policiais civis participaram da operação durante esta manhã.

Comentários