Seca no Rio Machado gera queda de 50% na produção de pescado em Ji-Paraná

Seca no Rio Machado gera queda de 50% na produção de pescado em Ji-Paraná

O nível baixo do Rio Machado, em Ji-Paraná, município a pouco mais de 370 quilômetros de Porto Velho, afeta a atividade de pescadores da região. O Rio chegou a 6,59 metros, marca considerada baixa pela Agência Nacional de Águas (ANA). Segundo a Defesa Civil, o nível baixou mais rápido este ano. A última chuva que caiu na região foi há cerca de 15 dias, registrando apenas quatro milímetros de água.

Os pescadores dizem que a quantidade de peixe caiu pela metade durante o período de seca. A queda foi de 50% em comparação à época chuvosa, que registra produção de seis toneladas por mês. Na seca, reduziu pela metade. O grupo também enfrenta problemas na navegação.

“Hoje está difícil para trabalharmos. Em alguns locais, os pescadores têm que descer dos barcos e atravessar andando em meio às pedras. Alguns estão desistindo da atividade neste período devido à baixa produção de pescado”, destacou o presidente da Associação de Pescadores de Ji-Paraná, Manuel Dantas.

Ainda de acordo com Manuel, algumas espécies de peixes estão dificilmente sendo encontradas por conta do período de estiagem, como o tambaqui nativo e a jatuarana.

Pescadores sofrem com baixa de pescado por conta da seca em Ji-Paraná. (Foto: Gedeon Miranda/G1)

Pescadores sofrem com baixa de pescado por conta da seca em Ji-Paraná. (Foto: Gedeon Miranda/G1)

A Associação de Pescadores conta com cerca de 120 pescadores em quatro municípios da região central do estado. Os profissionais percorrem mais de 100 quilômetros diariamente pelo Rio Machado.

A falta do pescado está afetando também os comerciantes que dependem da venda de peixes.

“Nossa venda caiu mais de 15 % neste período. Aqui na minha barraca, não tem mais o tambaqui nativo, pescada, pintado e a jatuarana. Fico muito triste, pois dependo da venda diária de pescado. Espero que esta situação possa melhorar nos próximos meses”, lamentou o vendedor de pescado, José Bianqui.

Comentários