Prefeita e vice de Pimenta Bueno, RO, são cassados e presidente da câmara assume

Prefeita e vice de Pimenta Bueno, RO, são cassados e presidente da câmara assume

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Rondônia, afastou dos cargos a prefeita de Pimenta Bueno (RO), cidade localizada na Zona da Mata, Juliana Roque (PSB) e o vice Luiz Henrique Sanches Lima (PSB), na manhã de segunda-feira (17). No mesmo dia, o presidente da câmara de vereadores Paulo Adail (MDB) assumiu a vaga interinamente, em uma cerimônia realizada no Centro Cultural Antônio Augusto Neves.

Tanto Juliana, quanto Luiz Henrique, respondem processo de abuso de poder econômico, praticado nas eleições de 2016, pela contratação de quatro ‘formiguinhas’ e o recebimento de uma doação ilegal no valor de R$ 6 mil na mesma época.

G1 entrou em contato com a prefeita, para falar sobre o assunto, mas não obteve retorno. Na página pessoal do Facebook, Juliana publicou um texto com a retrospectiva do período em que ficou a frente da prefeitura, cerca de um ano e meio.

Disse ainda que na sexta-feira (14), o TRE determinou que ela e o vice deixassem os cargos de prefeita e vice. “Deixaremos com tristeza por saber que um programa de governo será interrompido, mas deixamos de cabeça erguida por saber que demos o nosso melhor durante esse mandato”, disse a prefeita em parte da postagem.

Prefeita de Pimenta Bueno anunciou o afastamento no Facebook — Foto: Facebook/Reprodução

Prefeita de Pimenta Bueno anunciou o afastamento no Facebook — Foto: Facebook/Reprodução

Em contato com o TRE local, a chefe de cartório não confirmou detalhes sobre o afastamento dos executivos e nem sobre novas eleições.

Entenda o caso

A prefeita de Pimenta Bueno, Juliana Roque e o vice, Luiz Henrique Sanches Lima, já haviam tido os diplomas referentes a eleição de 2016 cassados, pela 9ª vara eleitoral do município, que julgou procedente a denúncia feita pelo Ministério Público Eleitoral (MPE), de que teriam feito a contração de quatro ‘formiguinhas’ e recebido uma doação ilegal no valor de R$ 6 mil na mesma época.

Nesse mesmo processo, o deputado estadual Cleiton Roque, que é esposo da prefeita, também estava sendo investigado, sendo considerado o responsável pela contratação das formiguinhas. Todos os envolvidos haviam ficado inelegíveis por oito anos, mas ainda cabia recurso.

Em 2017, a prefeita e o vice ficaram afastados dos cargos durante quatro dias, por causa do mesmo processo, porém a Justiça Federal emitiu uma liminar, permitindo que reassumissem as funções até que o processo fosse julgado.

Comentários