Polícia Civil pede prisão preventiva de PM suspeito de atirar em jovem grávida na frente de boate em Ariquemes

Polícia Civil pede prisão preventiva de PM suspeito de atirar em jovem grávida na frente de boate em Ariquemes

Após ouvir diversas testemunhas, a Polícia Civil pediu a prisão preventiva do policial militar suspeito de ter disparado o tiro que atingiu uma adolescente de 16 anos, que estava grávida, em Ariquemes (RO), no Vale do Jamari. O crime ocorreu na madrugada do último sábado (2), em frente a uma boate no Setor de Áreas Especiais.

De acordo com o delegado plantonista, Rodrigo Spiça, o depoimento do marido da jovem foi o mais importante, já que ele estava com a vítima no momento do crime. Ele também ouviu seguranças do evento e declarou que os depoimentos coincidem e apontam o policial militar como o autor dos disparos.

Conforme Spiça, os depoimentos revelam que houve uma briga dentro do estabelecimento e os participantes da festa foram tirados para a área externa. Na calçada, a briga ganhou proporção e o policial de folga atirou no chão.

Nesse momento Luaine e o esposo chegavam para ajudar um amigo, que estaria na festa. Quando perceberam a confusão que estava acontecendo no local, ela e o esposo tentaram ir embora com a motocicleta onde estavam, mas não houve tempo.

“Quando saiu o primeiro tiro, a vítima segurou nele [esposo] com força e no segundo tiro ele sentiu soltar e ele achou que ela estava descendo da moto para correr. Ele disse ‘não, eu estou saindo’, nisso ela caiu”, relata o delegado.

Quando ele desceu da moto, percebeu que o tiro havia atravessado o capacete e a jovem havia sido atingida na testa.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e o Corpo de Bombeiros foram chamados e constataram o óbito da jovem, segundo a Polícia Militar (PM).

 

Marido se desespera ao ver corpo da esposa em ambulância (Foto: Balanço Notícias/Reprodução)Marido se desespera ao ver corpo da esposa em ambulância (Foto: Balanço Notícias/Reprodução)

Marido se desespera ao ver corpo da esposa em ambulância (Foto: Balanço Notícias/Reprodução)

 

O militar suspeito deve ser indiciado por homicídio com dolo eventual. Ele foi preso em flagrante e está custodiado em um hospital em Porto Velho porque foi agredido e ficou ferido durante a confusão na boate.

Segundo a PM, quando receber alta médica, ele será encaminhado ao Centro de Correição e ficará preso, se a justiça decretar a prisão preventiva.

Outras sete pessoas ficaram feridas durante a confusão, mas nenhuma com gravidade. Os corpos da jovem e do bebê foram enterrados na manhã deste domingo (3) em um cemitério de Ariquemes.

 

Briga começou dentro da boate e continuou do lado de fora (Foto: Diêgo Holanda/G1)Briga começou dentro da boate e continuou do lado de fora (Foto: Diêgo Holanda/G1)

Briga começou dentro da boate e continuou do lado de fora (Foto: Diêgo Holanda/G1)

Comentários