Morador de rua ataca carro de família com pedrada em Porto Velho

Publicada em


Suspeito já havia sido preso anteriormente pelo mesmo crime, segundo polícia. Desde o fim de agosto pelo menos cinco ocorrências semelhantes foram registradas na capital.

O quinto caso de pedrada contra pessoas foi registrado em Porto Velho no feriado da segunda-feira (12), desde o fim de agosto. Desta vez uma família estava transitando na rua Almirante Barroso com a Elias Gorayeb quando foi surpreendida por uma pedra arremessada por uma pessoa em situação de rua.

Segundo o boletim de ocorrência, o condutor do veículo conseguiu manobrar e desviar o carro no momento do ataque e ninguém se feriu. Mesmo assim, a pedra acabou atingindo e danificando o para-brisa do automóvel.

A vítima conseguiu localizar o suspeito perto do local do ataque com ajuda de populares, que acionaram a Polícia Militar (PM).

Segundo a polícia, o homem de 29 anos, identificado como Carlos Santos Serra Soeiro, já havia sido preso recentemente pelo mesmo crime, no qual lesionou seriamente uma pessoa.

De acordo com o boletim, o morador de rua estava bastante exaltado no momento do flagrante, e por isso foi necessário o uso de algemas e força física moderada para contê-lo. Foi solicitado ainda um exame de insanidade mental e a prisão preventiva foi decretada.

Relembre os outros casos

Pedra jogada contra cabeça de estudante de medicina em RO — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Pedra jogada contra cabeça de estudante de medicina em RO — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Desde o fim de agosto, pelo menos cinco casos de ataques com pedras foram registrados na avenida Jorge Teixeira em Porto Velho. No dia 28 de agosto, uma estudante de medicina transitava pela avenida quando foi surpreendida por uma pedrada na cabeça. Ela teve afundamento de crânio e precisou ficar internada por vários dias.

A pedra foi lançada por um morador de rua, que foi preso no dia 2 de setembro após investigações da Polícia Civil. Ele passou 10 dias preso provisoriamente e depois teve a prisão preventiva decretada.

Entre os dias 7 e 8 de setembro, pelo menos outros dois casos de pedradas em carros foram registrados na capital. No feriado de independência, uma criança de 9 anos ficou ferida com os estilhaços do vidro. O tio da vítima que conduzia o veículo chamou a polícia e o morador de rua Sandi da Costa Santos foi preso e levado para o Urso Branco. No dia 8, uma mulher teve o carro atingido por uma pedra. A vítima acredita que a película do vidro impediu que ela fosse ferida no ataque.

Em 17 de setembro, o carro em que dois jovens estavam também foi atacado por uma pedrada enquanto transitavam de carro pela avenida Jorge Teixeira em Porto Velho. A pedra atravessou os vidros das duas janelas frontais do veículo. O suspeito foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) logo após o crime.

Vítimas foram surpreendidas por uma pedra quando passavam pela Avenida Jorge Teixeira — Foto: Reprodução/Whatsapp

Vítimas foram surpreendidas por uma pedra quando passavam pela Avenida Jorge Teixeira — Foto: Reprodução/Whatsapp

A prefeitura de Porto Velho informou em nota que dispõe de uma unidade de acolhimento à população em situação de rua com capacidade para 20 pessoa, no bairro Caiari. Um Serviço Especializado de Abordagem Social que faz busca ativa e identifica casos de violação à direitos. A população pode demandar o serviço pelo número 0800 647 1311.

Com a pandemia, segundo a prefeitura, vários serviços como banho, alimentação, lavanderia e orientação para auxílio emergencial são ofertados em parceria com a Arquidiocese da capital. Cerca de 150 pessoas são atendidas diariamente na Paróquia Sagrada Família, no bairro Embratel.

Fonte: g1.globo