Monitor da Violência: Rondônia teve pelo menos uma morte violenta a cada 24h em 2018

Monitor da Violência: Rondônia teve pelo menos uma morte violenta a cada 24h em 2018
ELETROSSOL NORTE JARU Instalação energia solar

Rondônia registrou pelo menos uma morte violenta a cada 24 horas de 2018. É o que revela o Monitor da Violência, um projeto do G1divulgado nesta quarta-feira (27). Ao todo, foram 448 assassinatos em 365 dias do ano passado.

Janeiro e março foram os meses mais violentos no estado, com 48 mortes em cada um deles. Fevereiro foi o menos violento, porém 28 pessoas foram mortas, ou seja, uma morte a cada dia do mês.

Os dados também mostram uma queda de 11,8% nos homicídios, latrocínios e vítimas de lesão corporal seguida de morte. Em 2018 foram 448, ante 508 de 2017.

Mesmo com a queda, Rondônia teve 26,3 assassinatos a cada 100 mil habitantes no ano passado. O número ainda está acima da taxa no país, de 24,7 mortos para 100 mil habitantes.

O levantamento ainda revela que:

  • houve redução em casos de latrocínio em Rondônia: 14,21%
  • casos de lesão corporal seguida de morte caíram 100%
  • Nenhum mês teve mais de 50 mortes, ao contrário de 2017
  • Agosto de 2017 e 2018 tiveram o mesmo n° de mortes: 40

Violência no interior

Em janeiro deste ano, o G1 revelou que a taxa de mortes violentas foi maior no interior do estado em 2018. Ao todo, foram 292 assassinatos no interior contra 156 da capital Porto Velho, uma diferença de 65,18%.

Nos três tipos de crimes contabilizados pelo governo ocorreram quedas significativas. O latrocínio caiu 14,28%, enquanto homicídio doloso teve redução de 10,60%.

Porém, a maior queda, de 100%, foi em casos de lesão corporal. Em 2017 seis pessoas morreram após sofrerem alguma lesão corporal, enquanto no ano passado não houve óbito dessa natureza.

Monitor da Violência

O levantamento é resultado de uma ferramenta criada pelo G1 que permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitaram durante todo o ano de 2018 os dados seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Não há hoje uma divulgação desses dados por parte do governo federal – por isso a importância desse projeto.

METODOLOGIA: Monitor da Violência

Comentários