Mãe e filha mortas em carro tomado por enxurrada em BH estavam abraçadas e com terço nas mãos

Mãe e filha mortas em carro tomado por enxurrada em BH estavam abraçadas e com terço nas mãos

Cristina Pereira Matos, de 40 anos, e a menina Sofia Pereira, de 6, encontradas mortas em um carro tomado pela enxurrada estavam abraçadas e com um terço nas mãos, informou o Corpo de Bombeiros nesta sexta-feira (16). Até as 9h30, Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, seguia desaparecida – ela sugada por galeria em Venda Nova.

Impactos da chuva

Uma mulher e uma menina de 6 morreram afogadas dentro de carro

Uma jovem de 16 anos está desaparecida após cair em galeria

Houve alagamentos na Avenida Vilarinho e Rua Doutor Álvaro Camargos

Estação Vilarinho do metrô está fechada

Parte de casa desabou no bairro Jardim dos Comerciários

Prefeito Alexandre Kalil prometeu obras e assumiu a culpa pelas mortes.

Os dois corpos estavam em um Palio prata na Avenida Vilarinho, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte, que foi tomado por uma enxurrada nesta quinta-feira (15).

O volume da água foi tanto que atingiu aproximadamente dois metros de altura e muita lama se espalhou pela avenida. Uma retroescavadeira da prefeitura começou a limpeza ainda de madrugada.

Parte do alambrado da linha do metrô foi arrancada e muito lixo ficou preso à cerca. Ainda por causa da chuva, a Estação Vilarinho foi fechada e a composição fazia as viagens até a Estação Floramar. Ela permanecia fechada até as 9h40.

As vítimas ficaram presas dentro do carro por causa da inundação e se afogaram. O trecho ficou alagado após vários córregos que margeiam a via transbordarem.

A Avenida Vilarinho, um dos mais movimentados acessos à Região Norte de Belo Horizonte, foi a mais afetada. Carros foram arrastados, pessoas ficaram ilhadas e muitas se arriscaram na travessia.

Desaparecida

Segundo os bombeiros, uma jovem de 16 anos também foi levada pela enxurrada na Rua Doutor Álvaro Camargos, no bairro São João Batista, em Venda Nova. Segundo os militares, ela está desaparecida e as buscas foram retomadas por volta das 5h30.

Recorde
De acordo com a Defesa Civil, este foi o dia mais chuvoso do ano na capital mineira.

O acumulado de chuva, segundo o órgão, por regional, das 12h30 até 20h30, foi de:

Barreiro – 35,0 mm

Centro Sul – 38,6 mm

Leste – 22,4 mm

Nordeste – 12,6 mm

Noroeste – 35,8 mm

Norte – 20,6 mm

Oeste – 63,6 mm

Pampulha – 95,4 mm

Venda Nova – 84,6 mm

Estragos

Parte de uma casa desabou no bairro Jardim dos Comerciários, em Venda Nova. Quatro adultos e uma criança estavam no local no momento em que paredes do imóvel cederam. Os bombeiros foram acionados.

“Pessoal teve alguns arranhões, mas nada sério. Estamos aqui ajudando a vizinha”, disse Ricardo Andrade que mora na casa ao lado.

Houve queda de muros no bairro Braúnas, na Região da Pampulha, e no Jardim Leblon, em Venda Nova.

Alexandre Kalil

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), disse na manhã desta sexta-feira (16) que a responsabilidade pelas duas mortes no temporal é dele.

“Então o que eu volto a repetir para a população de Belo Horizonte é o seguinte: ‘A responsabilidade é do prefeito. Ele é o culpado por tudo que aconteceu aqui’”, disse.

Ainda de acordo com Kalil, as obras necessárias para evitar alagamento e inundações na Avenida Vilarinho, na Região de Venda Nova, serão feitas. “Nós vamos fazer. Nós não somos como os outros. Nós não corremos da nossa responsabilidade e nós fomos eleitos para cuidar dessa população”.

 

Fonte g1.globo.com/mg/minas-gerais

Comentários