Jaru: vereadores de oposição se queixam de não terem atenção do Executivo Municipal

Publicada em


Vereador atacou servidor e considerou salário absurdo. Outro disse que rua em que mora não recebe benefícios por sua causa.

A sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Jaru (RO), desta segunda-feira, dia 24 de agosto, foi marcada por desabafos de alguns dos vereadores de oposição a administração do prefeito João Gonçalves Jr. (PSDB).

Conforme as declarações feitas, os vereadores têm se sentido desprestigiados pelo prefeito e ainda afirmaram, que não são atendidos prontamente, quando buscam pelo Poder Executivo Municipal.

Vereador Edmar Parlote (DEM) durante discurso na tribuna.

O vereador Edmar Parlote (DEM), se queixou de não ter seus pedidos atendidos e foi mais além. Parlote criticou a falta pavimentação na rua em que ele mora, no distrito de Tarilândia. O vereador chegou a dizer que, ‘talvez tivesse de se mudar do local, para que os moradores recebessem o benefício’. “A rua em que eu moro, precisa de iluminação e asfalto. Será que eu vou ter que mudar de lá para que os moradores recebam os investimentos”, disse de forma retórica, durante o seu discurso.

O vereador disse ainda que lamenta não ter conseguido benefícios para rua em que reside no distrito de Tarilândia e de certa forma direcionou a responsabilidade para o executivo.

Vereador Orlando Costa dos Anjos (PV) durante discurso na tribuna.

Outro vereador que demostrou bastante revolta com o executivo municipal, foi Orlando Costa, eleito pelo (PV). Orlando deliberadamente criticou o gerente de trânsito no município, Neir de Carvalho.

Conforme o parlamentar, Neir teria sido procurado por um cidadão que buscava solução de um problema que poderia ser resolvido pelo setor, que é de responsabilidade da administração pública.
O que teria deixado o vereador indignado, a ponto de atacar veementemente o servidor Neir, foi que este segundo Orlando Costa, teria aconselhado a pessoa que o procurou, a buscar apoio de vereadores “aliados do prefeito”, a fim de ter mais chances de ter o problema resolvido.

Protegido pela ‘Tribuna’, que oferece direito de aludir nomes e exprobrar à vontade, o vereador Orlando Costa discorreu em duas oportunidades a fim de desabonar a administração municipal de forma geral, usando como ponte, o gerente de trânsito Neir de Carvalho.

Sem lembrar que é o vereador que mais onera o município com despesas cotidianas, com combustível e pessoal de gabinete, além do salário em torno de R$ 6.400, mensais e ao menos R$ 2.400, em diárias, Orlando disse que o salário de R$ 3.500, do servidor Neir, é muito. O vereador usou a palavra ‘absurdo’, para definir os rendimentos do servidor.

Com um pedido de cassação arquivado pelo parlamento municipal, o vereador suplente que se tornou titular no ano passado Badu Som (DEM), foi o que teve o discurso considerado, inclusive, “afável”.

Vereador Edvaldo Oliveira – Badu Som (DEM) durante discurso na tribuna

Badu Som foi ‘cauteloso’ em suas cobranças nesta última sessão. O parlamentar usou ‘tom’ bem diferente doutros pronunciamentos. Austero, porém, madureço e cordato, o vereador fez suas cobranças sem atacar colegas vereadores e nem o prefeito João Gonçalves Jr.

A sessão prosseguiu com a aprovação de indicações, projetos e créditos suplementares.

Sede do Poder Legislativo de Jaru