CERON OLHO GATO 728-X-90-px

Jaru: Vereador recém empossado “dispara” contra os demais, desliza em discurso e vai parar na comissão de ética

Jaru: Vereador recém empossado “dispara” contra os demais, desliza em discurso e vai parar na comissão de ética

SEGURANÇA Publica_728x90

O episódio que teve como protagonistas principais o presidente da Casa José Claudio Gomes (Amarelinho) e o vereador recém empossado Badu Som, aconteceu nesta segunda feira (22) em uma conturbada sessão da Câmara Municipal de Vereadores.

A animosidade começou a se formar com o discurso inflamado e protecionista do presidente da Câmara Amarelinho, que repreendeu o vereador recém empossado Badu Som, lhe acusando de deliberadamente ter insurgido contra o Parlamento local, em vídeos postados nas redes sociais.

Amarelinho descriminou a conduta de Badu que segundo ele, trata-se de evidente promoção política pessoal em detrimento aos problemas da cidade, ele ainda afirmou que todos os vereadores sabem dos problemas de Jaru e que reivindicam melhorias, as quais vem sendo atendidas na medida do possível, em um dos casos citados, Amarelinho divulgou ter feito indicações e ofício cobrando ao executivo a recuperação da Rua Padre Chiquinho, local onde Badu gravou vídeo criticando atuação parlamentar. Amarelinho prosseguiu o discurso ressaltando “agora você também é vidraça” uma clara menção a seu atual posto, e  concluiu fazendo um alerta a Badu, recomendando ele a tomar cuidado para não precisar dos demais vereadores.

Ao fazer uso da palavra Badu, endureceu ainda mais seu discurso, evidenciando inoperância da Câmara, ele deixou os ânimos ainda mais acirrados ao afirmar que estaria entrando ali para trabalhar e não brincar de ser vereador, sobre os vídeos gravados Badu reafirmou suas legitimidades, e um discurso bem exaltado disse que foi o responsável pela cobrança que resultou na manutenção da rua Padre Chiquinho, e afirmou que Amarelinho teria feito oficio cobrando a mesma recuperação mas com data retroativa.

Mediante esta afirmação, o vereador Renato Cabeleireiro o interrompeu e lhe deu ciência sobre a gravidade da acusação de falsificação de documentos. Amarelinho então interpelou “Badu você prova o que acabou de falar? Vou solicitar a gravação e pedir para a Comissão de Ética que seja instaurado um procedimento de investigação, para apurar sua conduta em desacordo com as normas éticas”.

Badu tentou se retratar, porém sem êxito.

>SEDAM QUEIMADAS