Jaru: Quem é o homem que desapareceu há 24 dias a caminho da casa de parente

Publicada em


Aos 44 anos, pedreiro sumiu um dia depois do Natal entre Theobroma e Governador Jorge Teixeira. Filha diz que pai sempre teve boa convivência com moradores da região.

Gilmar Elias Gonzaga, de 44 anos, desapareceu em Jaru após o Natal — Foto: Arquivo Pessoal 

 

Há mais de 20 dias uma família de Jaru (RO) busca por notícias sobre Gilmar Elias Gonzaga, que desapareceu aos 44 anos sem deixar vestígios. Gilmar é pedreiro e sumiu enquanto estava a caminho da casa de parentes de Governador Jorge Teixeira (RO).

Segundo Camila Souza Gonzaga, a filha de Gilmar, seu pai sempre teve boa convivência com moradores da zona rural de Jaru . A última vez que ela viu o pai foi em 25 de dezembro, dia do Natal.

“Meu pai é bem conhecido por aqui. Claro que ele tem seus problemas pessoais, mas nas últimas semanas antes de sumir ele não estava muito bem. O Natal ele passou comigo e estava de boa e no final do dia conversou comigo, dizendo que precisava sair de Jaru”, relembra.

Com o desejo e decisão do pai de ir embora de Jaru, Camila diz ter entrado em contato com familiares que moram em Governador Jorge Teixeira. Esses parentes iriam receber Gilmar por alguns dias, e depois o pedreiro deveria seguir viagem para o Amazonas, onde iria trabalhar em obras.

Durante o trajeto para Governador Jorge Teixeira, Gilmar desviou o caminho e resolveu, segundo Camila, parar em um sítio de amigos.

“Ele foi para Theobroma (RO) e parou na Linha 603, na casa de uns conhecidos dele e por lá ficou o restante do dia. Fiquei no aguardo de alguma resposta se ele havia chegado na casa do meus familiares em Governador Jorge Teixeira, mas nunca chegou lá”, revela.

Preocupada com a falta de notícias do pai, Camila falou com uma tia, que descobriu o contato do mototaxista que levou Gilmar até a casa dos amigos em Theobroma.

“Ela [tia] ligou para esse pessoal, amigos do meu pai, e eles disseram que ele tinha ido caçar em uma mata. Ficamos tranquilos porque achamos que ele estava por lá. Mas com o tempo ele não apareceu, nem deu notícias. Minha tia novamente entrou em contato e aí eles falaram que ele não havia retornado”, diz a filha.