JARU: Ação da Polícia Civil com apoio do Serviço reservado da PM e PATAMO prendeu três homens acusados de homicídio e tráfico

JARU: Ação da Polícia Civil com apoio do Serviço reservado da PM e PATAMO prendeu três homens acusados de homicídio e tráfico

A Polícia Civil, juntamente com o serviço reservado da PM e Patrulhamento Tático Móvel (PATAMO), deflagrou na manhã desta terça feira(11), uma operação na qual foram conduzidas três pessoas, por envolvimentos em homicídio e tráfico de drogas.

Através do Serviço de Investigação e Captura (SEVIC), a Polícia chegou a dois suspeitos de serem os autores do homicídio que vitimou Rafael Oliveira Silva de 24 anos, na manhã do dia  27/11/2018, quando o mesmo que cumpria pena durante a noite no albergue estaria voltando para casa.

Relembre Aqui:

Os suspeitos foram identificados como Jhonatan da Cunha Araújo, 28 anos que foi abordado quando o mesmo encontrava-se em uma residencia localizada na Rua Ceará, St-05, este que cumpria pena em regime semi aberto, após ter sido preso em 2016, acusado de ser autor do homicídio contra dois irmãos gêmeos Isael de Andrade Rosa e  Isaquiel de Andrade Rosa, que de fato eram primos do acusado. E Reinaldo Nogueira, 38 anos, foi localizado na Rua: Padre Feijó, no Jardim dos Estados, acusado de ser o piloto da motocicleta.

Na residencia dos suspeitos a Polícia localizou roupas semelhantes as utilizadas pela dupla no dia do homicídio de Rafael.

Segundo informações da Polícia, ambos fazem parte de um grupo de facção criminosa, e o pedido de prisão dos mesmos já foi deferido pelo Juiz de direito Adip Chain Elias Homsi Neto.

Após a prisão da dupla,, a Polícia realizou buscas na casa de Célio dos Santos Maciel, localizada na Linha 605, este que já é reincidente, e teve seu nome citado durante as investigações do homicídio.

A princípio a Polícia tinha o intuito de localizar a arma de fogo utilizada no crime contra Rafael, porém não obtiveram êxito nas buscas, no entanto, foi localizado em uma residencia abandonada que fica ao lado da casa de Célio, um envólucro plástico branco contendo uma porção de entorpecente de cor amarelada aparentando ser Crack.

Após localizada a droga, Célio recebeu voz de prisão, e foi conduzido juntamente com Jhonatan e Reinaldo até a Unidade Integrada de Segurança Pública (UNISP) para serem ouvidos, e após a realização dos exames de corpo de delito serão entregues na casa de detenção, onde ficarão à disposição da justiça.

 

 

 

Comentários