Estudantes fazem homenagem para médico atacado com ácido em hospital de Porto Velho

Estudantes fazem homenagem para médico atacado com ácido em hospital de Porto Velho

Alunos de uma faculdade particular de Porto Velho fizeram nesta quinta-feira (7), uma homenagem para o médico Gladson Siqueira, que é professor do curso de medicina da instituição. Os estudantes se reuniram na área externa da faculdade e oraram pelo professor. Ele sofreu um atentado na última quarta-feira (6) enquanto chegava para o plantão no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron).

De acordo com a instituição de ensino, a mobilização foi uma iniciativa dos alunos de medicina. Por volta das 9h eles formaram um círculo, deram as mãos entre si e oraram pelo médico.

Alunos se reuniram às 9h desta quinta-feira (7), em Porto Velho  — Foto: Reprodução/ Redes Sociais

Alunos se reuniram às 9h desta quinta-feira (7), em Porto Velho — Foto: Reprodução/ Redes Sociais

Nas redes sociais, a faculdade publicou uma nota de repúdio contra o atentado sofrido pelo professor. A instituição diz se solidarizar com a família e amigos do médico e reforça seu compromisso com a luta contra todo e qualquer tipo de violência.

Internautas comentaram lamentando a agressão, se solidarizando com a família da vítima e desejando melhoras ao médico.

Internautas lamentam o atentado contra o médico Gladson Siqueira, em Porto Velho  — Foto: Reprodução/ Redes Sociais

Internautas lamentam o atentado contra o médico Gladson Siqueira, em Porto Velho — Foto: Reprodução/ Redes Sociais

O caso

Gladson Siqueira, médico que sofreu atentado enquanto chegava no plantão  — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Gladson Siqueira, médico que sofreu atentado enquanto chegava no plantão — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

O médico Gladson Siqueira ficou ferido na manhã da última quarta-feira (6) depois de ser atacado com ácido, no estacionamento do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), em Porto Velho. Ele chegava para o plantão no momento do ataque. O rosto da vítima ficou queimado.

Segundo informações de uma testemunha que trabalha próximo ao local, o suspeito chegou em uma moto, parou ao lado do carro do médico, iniciou uma conversa e jogou ácido na vítima. Nesse momento o médico esboçou reação com sua arma de fogo e o suspeito revidou, dando início a uma troca de tiros. Testemunhas relatam que ouviram de cinco a seis disparos.

Garrafa onde estava o ácido  — Foto: Pedro Bentes/ G1

Garrafa onde estava o ácido — Foto: Pedro Bentes/ G1

No início da noite foi decretada a prisão preventiva do agente penitenciário Oziel Araújo Fernandes, de 41 anos, suspeito de ter atacado o médico. O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil.

Comentários