Veja imagens da exposição cancelada pelo Santander, no RS

Veja imagens da exposição cancelada pelo Santander, no RS

Cancelada pelo Santander Cultural após críticas de movimentos religiosos e do Movimento Brasil Livre (MBL), a exposição “Queermuseu – cartografias da diferença na arte da brasileira” reuniu obras de 85 artistas, incluindo os mundialmente conhecidos Alfredo Volpi e Cândido Portinari, no museu de Porto Alegre.

Com curadoria de Gaudêncio Fidelis, que foi curador da Bienal do Mercosul de 2015, a exposição tinha como mote a diversidade e as questões LGBT, aos moldes de exposições estrangeiras como  a Queer British Art (1861-1967), em Londres, na Inglaterra, e a Hide/Seek: Difference and Desire in American Portraiture, em Washington, nos Estados Unidos.

Porém a mostra foi cancelada no último domingo, um mês antes do previsto, depois que os movimentos apontaram que a exposição fazia apologia à pedofiliazoofilia. Os movimentos também fizeram campanhas virtuais para que os correntistas do Banco Santander, que mantém o centro, cancelassem suas contas como forma de boicote.

Uma das obras que causou revolta foi a que faz referência ao meme “Criança Viada”, conhecido e apreciado pela comunidade LGBT (imagem abaixo). ” Isso aqui é praticamente prostituição infantil”, diz um simpatizante dos movimentos contra a exposição em um vídeo que circula nas redes sociais. Porém, o significado atribuído pela curadoria é diferente. A obra “Travesti da lambada e deusa das águas”, de 2013, de autoria de Bia Leite, “desmascara o preconceito e a homofobia através de uma iconografia da cultura pop”, diz o curador no texto explicativo do catálogo da mostra.

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

 

“Há pouco tinha crianças olhando essa ‘arte’ escarnecendo a Cristo”, disse o blogueiro Felipe Diehl, durante o vídeo em que ele circula pela exposição e critica as obras acompanhado de outro blogueiro, Rafinha BK, do MBL de Porto Alegre. “Olha o Satanás no meio”, diz Rafinha sobre outra obra. No vídeo, os blogueiros censuram as imagens com um “borrão”. A obra “Cruzando Jesus Cristo com Deusa Shiva”, de 1996, de Fernando Baril, (abaixo) retrata “as inúmeras pernas e braços da figura  que reverberam pela superfície da pintura, exibindo objetos de toda ordem nas mãos e pés, muitos deles relacionados à história da arte e à cultura pop”, explica Fidelis no catálogo.

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

Gilberto Schwartsmann, presidente da Fundação Bienal do Mercosul, o maior evento de arte latino-americana do mundo, disse a VEJA que lamenta o fechamento da exposição. “Fiquei triste. As pessoas têm o direito de gostar e de não gostar, de querer e de não querer. Mas precisam respeitar. O que a gente precisa é de uma lição de tolerância. Entendo todos os lados. As pessoas não estão preparadas para certas coisas. Isso aconteceu muito na história. Coisas que nos assustam em 2020, não nos assustam em 2040”, disse Schwartsmann a VEJA sobre o fechamento .

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

Outras obras retratavam a prática sexual como a “Cena de Interior II”, de Adriana Varejão (imagem acima). No caso desta obra, apenas uma parte dela está sendo divulgada isoladamente como apologia à zoofilia. “Ela mostra o avanço da pintura brasileira como manifestação crítica diante do processo de colonização do país. Trata-se de uma pintura que cobre um considerável território an confluência entre sexualidade e história, revirando (literalmente) as hierarquias de raça, influências, miscigenação”, explica o curador Gaudêncio Fidelis em texto do catálogo da obra. “Só tem putaria, só tem sacanagem” , disse o blogueiro blogueiro Felipe Diehl, no seu vídeo, queixando-se que as obras são “reconhecidas como arte”.

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr. (PSDB) comentou o fechamento da exposição. Na sua página do Facebook, Marchezan diz que a mostra tinha “imagens de zoofilia e pedofilia”. Horas mais tarde, Marchezan apagou sua postagem. Algumas horas depois, o prefeito apagou a postagem. O prefeito, que é apoiado pelo MBL, obteve liminar na Justiça para que os protestos contra sua administração fossem proibidos.

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

Defesa da exposição

Grupos de defesa dos direitos dos LGBT organizam, pela internet, um ato em apoio em “defesa da cultura e democracia” em frente ao Santander Cultural para próxima terça-feira, às 16h. Críticos ao conservadorismo do MBL, os organizadores do ato apontam a contradição de um suposto movimento liberal atuar pela censura da exposição.

Exposição Queer Museu é suspensa após polêmica

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS) (Reprodução/Facebook)

Polêmicas

Esta não é a primeira vez que o MBL protagoniza uma polêmica no Rio Grande do Sul. Recentemente, a Justiça determinou que o blogueiro Arthur Moledo do Val, do canal Mamãefalei, retire do ar um vídeo em que aborda Luciana Genro (Psol) e sua família, em Porto Alegre. Caso descumpra a decisão, Do Val deverá pagar uma multa de 5 mil reais por dia.