Rondônia reduz percentual de fumantes de 17% para 10%

Rondônia reduz percentual de fumantes de 17% para 10%

Um breve clip mostrando o cantor e compositor nicaraguense, Tony Meléndez, tocando violão com os pés [ele não tem braços] ganhou aplausos no auditório do Rondon Palace Hotel, em Porto Velho, durante o seminário de capacitação de coordenadores regionais e municipais da atenção básica para abordagem e tratamento do tabagismo no Sistema Único de Saúde (SUS). O evento iniciou na quarta e segue até as 18h desta quinta-feira (11).
Em dois dias, equipes recebem capacitação para diminuir número de fumantes

“Temos dentro de nós um grande valor, que é a doação, e quando podemos e queremos nada é impossível”, incentivou a coordenadora estadual em controle do tabagismo, Cremilda Queiroz.

Dos 52 municípios rondonienses, 42 se inscreveram para programas de combate ao vício. Coordenadores regionais terão oportunidade para relatar experiências exitosas.

A Portaria nº 761, de 21 de junho de 2016, valida orientações técnicas do tratamento do tabagismo constantes no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas–Dependência à Nicotina.

Analisando indicadores de impacto em mulheres gestantes, doenças associadas, desistência do tratamento e o vício em si, a coordenadora despertou a plateia para “o atendimento ao viciado de maneira organizada”.

O percentual de fumantes em Rondônia teve redução de 17% para 10% entre 2011 e 2015, ela informou.

Anteriormente, se quisesse mesmo deixar o vício e necessitasse do socorro do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), o paciente do interior do estado tinha que se dirigir à cidade. “Poucos conseguiam, mas a situação começou a melhorar após a prioridade dada pela rede de atenção básica”, citou Cremilda, que é enfermeira especializada em doenças crônicas não transmissíveis.

No entanto, a coordenadora alertou para o respeito à culturas, crenças e à importância dos conhecimentos científicos. “É preciso que o filho convença o pai fumante de que ele usa veneno de rato”, orientou.

A coordenadora estadual do Programa Saúde na Escola, Maria Inês Alves Fernandes, explicou o trabalho feito em escolas da capital e do interior do estado, enquanto a terapeuta ocupacional, Regina Correia, coordenadora estadual em saúde mental, explicou o funcionamento dos Caps.

“Deixando de fumar sem mistérios” é um dos temas abordados nesta quinta-feira pela psicóloga Dioneia Martins, coordenadora municipal em controle do tabagismo em Porto Velho.

Um dos percentuais mostrados no audiovisual: 90% dos fumantes começaram aos 19 anos de idade.

SEDUÇÃO PARA O VÍCIO

Indústrias de tabaco, cuja propaganda foi restringida por lei, encontraram brechas em filmes e outros meios de comunicação que usam a imagem de pessoas supostamente felizes e bem sucedidas com o uso do cigarro – artistas e políticos por exemplo.

“Assim, temos fumantes passivos que recebem a fumaça dos que fumam perto deles, e admiradores de famosos aos quais imitam na prática desse malefício”, alertou Cremilda.

O glamour e a erotização mostrados em 83% dos filmes nacionais e estrangeiros ainda contribuem para a propagação do vício entre a juventude, conforme lembrou o médico psiquiatra, Charles Seize Modro, ao falar a respeito do tabagismo como dependência.

“Os filmes mostram atores fumando, e só depois dos anos 1980 o mundo tomou finalmente conhecimento da associação entre o tabaco e o câncer”, explicou Modro.

Em 10 de janeiro de 2014, o galã americano Eric Lawson, um dos caubóis das propagandas da marca de cigarros Marlboro, na década de 1970, morreu vítima de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), enfermidade que tem forte relação com o fumo. Ele tinha 72 anos e fumava desde os 14.

Para a diretora da Coordenação de Apoio à Descentralização (Cosad) na Sesau, Marta Maria Oliveira Duarte, a marca do SUS faz a diferença na atual situação de combate ao tabaco.

Segundo ela, atualmente o sistema não está apenas preocupado com a morbidade, mas com o ser humano. “O trabalho é pela preservação da vida e pelo caminho da superação, porque não apenas o pulmão é afetado, mas o psicológico, a alma da pessoa”, disse.

Pelo êxito na redução do percentual de pessoas fumantes em Rondônia, a coordenadora homenageou seus colegas, chamando-os à frente na sala do evento.

Cremilda também homenageou a servidora Maria Leonor Eguez Ramos, da Gerência de Programas Estratégicos de Saúde, que dá apoio técnico a todas as ações desse órgão, desde o protocolo à aquisição de material permanente.

Em dois dias, equipes recebem capacitação para diminuir número de fumantes
Fotos: Daiane Mendon

Comentários