Protestos contra o aumento da tarifa no transporte

Protestos contra o aumento da tarifa no transporte

Policiais militares e manifestantes têm objetivos diferentes durante os protestos contra o aumento das tarifas de trens, ônibus e metrô em São Paulo, mas têm uma “arma” em comum: câmeras de filmagem. Grandes, pequenas ou em celulares, elas são utilizadas para mostrar diferentes ângulos de um mesmo protesto;  as filmagens podem servir inclusive como prova de um eventual delito. (assista ao vídeo acima para ver alguns “flagrantes” do uso de câmeras e celulares nos atos).

Desde a divulgação do reajuste nas passagensde R$ 3,50 para R$ 3,80, em 30 de dezembro do ano passado, o Movimento Passe Livre (MPL) realizou três atos na capital paulista, nos dias 8, 12 e 14 de janeiro.

Integrantes de movimentos sociais usam celulares para gravar e tentar registrar abusos das forças policiais. Do outro lado, os próprios policiais gravam as ações deles e dos manifestantes durante os protestos.

Dois vídeos feitos na Praça Roosevelt, no Centro da cidade, durante o primeiro ato do dia 8 mostram a prisão de jovens por ângulos diferentes. Em um deles, o site Jornalistas Livres mostra um policial militar colocando artefatos explosivos na mochila de um rapaz revistado. As imagens viralizaram nas redes sociais e a Secretaria de Segurança Pública disse que analisaria possíveis casos de abuso policial.

Dias depois, a Polícia Militar divulgou um vídeo em que mostra um rapaz com roupas e aparência física semelhantes a de um dos jovens que aparece detido no vídeo divulgado pelo grupo Jornalistas Livres. Nessas imagens, o rapaz aparece jogando um coquetel molotov perto de carros da PM.

Câmeras da PM também registraram o momento em que manifestantes interditaram a Avenida 23 de Maio e supostamente hostilizaram um motorista no primeiro ato.

Imagens de câmeras de segurança também são utilizadas como provas. No último protesto do dia 14, câmeras gravaram o momento que um policial atingiu um homem com um cassetete na Estação Consolação.

Além dessa “guerra de vídeos e versões”, os atos ainda contam com curiosos, turistas e moradores do entorno das aglomerações que fazem seus registros, ora narrados, ora em “selfies”, seja para saciar a curiosidade ou para mostrar que fizeram parte ou estiveram perto da história.

Gravação feita durante ato contra o aumento da tarifa (Foto: Glauco Araújo/G1)Foto feita durante ato contra o aumento da tarifa (Foto: Glauco Araújo/G1)

Nos três protestos já realizados o G1 presenciou uma grande quantidade de câmeras, das mais variadas, sendo apontadas para todos os lados. Policiais militares uniformizados filmam tudo e todos, desde a concentração até o fim. O mesmo é feito por integrantes de movimentos sociais, muitas vezes em transmissão ao vivo por redes sociais. Imagens registradas pelas câmeras de helicópteros de emissoras de televisão garantem a cobertura completa.

Os atos realizados nos dias 8, 12 e 14 tiveram 38 pessoas detidas, 24 feridas,12 veículos depredados e duas estações de Metrô vandalizadas. Segundo o MPL, ao todo, 53 pessoas participaram das três manifestações. A Secretaria de Segurança Pública contabilizou 7 mil pessoas.

Família faz foto durante protesto (Foto: Glauco Araújo/G1)Família faz foto durante protesto (Foto: Glauco Araújo/G1)

Faixa contra o aumento da tarifa de ônibus para 3,80 é exibida durante ato em frente ao Theatro Municipal, no centro de São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/G1)Faixa contra o aumento da tarifa de ônibus para 3,80 é exibida durante ato em frente ao Theatro Municipal, no Centro de São Paulo, durante manifestação no dia 8 de janeiro (Foto: Marcelo Brandt/G1)

 


 

Polícia lança bomba contra manifestantes na Avenida Paulista (Foto: Marcelo Brandt/G1)Polícia lança bomba contra manifestantes na Avenida Paulista no dia 12 de janeiro (Foto: Marcelo Brandt/G1)

 


Jovens começam a caminhar com faixas na região da Faria Lima (Foto: Marcelo Brandt/G1)Jovens começam a caminhar com faixas na região da Avenida Faria Lima no dia 14 (Foto: Marcelo Brandt/G1)

 


 

Vidro quebrado da Estação Consolação do Metrô na noite desta quinta-feira (Foto: Glauco Araújo/G1)Vidro quebrado da Estação Consolação do Metrô na noite de quinta-feira (Foto: Glauco Araújo/G1)
Mascarados encaram PMs durante protesto no Centro (Foto: Reprodução/G1)Mascarados encaram PMs durante protesto no Centro no dia 14 de janeiro (Foto: Reprodução/G1)
Manifestantes caminham pela Zona Oeste de SP em ato contra aumento da tarifa (Foto: Marcelo Brandt/G1)Manifestantes caminham pela Zona Oeste em ato contra reajuste da tarifa no dia 14 (Foto: Marcelo Brandt/G1)
THEATRO MUNICIPAL: manifestantes começam a caminhada. (Foto: Victor Moriyama/G1)Manifestantes caminham pelo Centro de SP em ato contra tarifa no dia 14 (Foto: Victor Moriyama/G1)
THEATRO MUNICIPAL: mascarados caminham em protesto na região central de SP. (Foto: Victor Moriyama/G1)Mascarados caminham em protesto na região central de São Paulo no dia 14 (Foto: Victor Moriyama/G1)
LARGO DA BATATA: mascarados no protesto na Zona Oeste. (Foto: Marcelo Brandt/G1)Mascarados no protesto na Zona Oeste de São Paulo no dia 14 de janeiro (Foto: Marcelo Brandt/G1)
Bombas de gás lacrimogênio são atiradas contra manifestantes durante ato contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/G1)Bombas de gás lacrimogênio são atiradas contra manifestantes durante ato contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo (Foto: Arquivo/Marcelo Brandt/G1)
 Policiais impedem passagem de manifestantes durante ato contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/G1)Policiais impedem passagem de manifestantes durante ato contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo (Foto: Arquivo/Marcelo Brandt/G1)