Posicionamento dos pecuaristas diante do baixo preço pago pela arroba do boi

Posicionamento dos pecuaristas diante do baixo preço pago pela arroba do boi

posicionamento-dos-pecuaristas-diante-do-baixo-preco-pago-pela-arroba-do-boi540x304_12534aicitono_1acmkds5d1ea9b091cd01an111m2aVocê já imaginou trabalhar em uma atividade onde o valor pago pelo seu produto não cubra os custos de produção? Essa é a situação enfrentada pelos pecuaristas de Rondônia. Sabemos que os produtores rurais de todo Brasil enfrentam problemas das mais variadas ordens, mas em Rondônia a situação se agrava e toma dimensões catastróficas por causa do baixo preço pago pela arroba do boi.

O grande problema é que essa queda nos preços pagos ao produtor, não refletiu nas prateleiras dos supermercados, tampouco na mesa do consumidor, pelo contrário, no varejo o preço da carne sofreu elevação. Para o pecuarista, a situação é ainda mais agravante, pois o valor pago pela indústria frigorífica, em nosso Estado, não cobre os custos de produção (COT), conforme demonstra estudos da CNA.

Até maio/2015 o preço da @ do boi em RO esteve equiparado ao PA e MT, historicamente equiparados aos mesmos percentuais de diferencial de base com SP. Porém a partir de junho/2015, somente em RO, os preços da @, sofreram uma queda abrupta, inexplicável, orquestrada, distanciando RO das demais praças, chegando a 20% dos preços de SP, e permanecendo em baixa, dos menores preços do Brasil.

Desde novembro/2015, os produtores rurais de Rondônia, vem se reunindo em todo o Estado e Capital, buscando o diálogo e aproximação com as indústrias frigoríficas e governo, afim de chegar a um entendimento, do que mais parece um descarado alinhamento de preços.

A união dos produtores resultou no movimento intitulado “O GRITO DA PECUÁRIA”, que está ecoando positivamente por todo o Brasil.

Em 15/02/2016, foi realizada uma reunião no palácio do governo, em Porto Velho, com a presença dos responsáveis pelos maiores frigoríficos instalados em RO, com a presença maciça dos produtores rurais, e com a mediação do Governo do Estado, onde foi apresentado aos frigoríficos os questionamentos sobre a queda nos preços da @ em RO. Diante das argumentações, os frigoríficos ali presentes, solicitaram, através da ABIEC, marcar uma nova reunião para apresentar soluções as tratativas. Foi definida a data de 25/02/2016, local FIERO, Porto Velho/RO.

Na data marcada, novamente presentes o governo do Estado, as comissões de produtores, e os frigoríficos aparentemente com objetivo de enfraquecer o movimento, encaminharam para reunião apenas o Presidente da ABIEC, sr Antonio Camardeli, que apesar de solícito, se manifestou sem autonomia para a negociação de preços, e foi fortemente repudiado pelos presentes. Camardeli assumiu perante todos os presentes, o compromisso de levar a mensagem dos produtores novamente aos frigoríficos afiliados à ABIEC, acrescentando-lhes a devida severidade do assunto:

“CONTINUAMOS DISPOSTOS AO FORTALECIMENTO DA PARCERIA (ProdutorXFrigorifico) EM RO, PORÉM A RETOMADA DOS PREÇOS NO ESTADO É PRE-REQUISITO PARA TODAS AS DEMAIS AÇÕES POSSÍVEIS, QUE BENEFICIAM TODA A CADEIA.

SOLICITAMOS UM POSICIONAMENTO CONCRETO DAS INDÚSTRIAS, A FIM DE EVITAR UM CONFRONTO. ENTENDEREMOS A OMISSÃO COMO UMA NEGATIVA.”

Foi estabelecido novo prazo para manifestação até dia 07/03/2016, e será encaminhado ofício formal a todos os frigoríficos.

Demais tratativas e assuntos abordados na Reunião 25/02:

* Instalação oficial da CÂMARA SETORIAL DA CARNE BOVINA do Estado de RO.

* Credenciamento do Estado para BOI EUROPA;

* Invasões de terras no Estado:

* Ferrovia transoceânica;

* Hidrovia do Madeira;

* China negócios com RO;

* Missão Equatoriana para transações comerciais escoadas pelo Rio Madeira e Amazonas.

* Estado de Rondônia livre da peste suína clássica;

* E demais ações a serem organizadas em todo Estado a partir de março/2016, dentre outros;

O assunto não está encerrado, o GRITO DA PECUÁRIA ecoa cada vez mais longe, porque somos todos do agronegócio.

Dorival de Souza Gaspar

APA – Associação dos Pecuaristas de Ariquemes
Fonte:Assessoria