Polícia prende dupla em ‘Casa da Moeda’ clandestina com mais de 3,6 milhões de reais

Polícia prende dupla em ‘Casa da Moeda’ clandestina com mais de 3,6 milhões de reais

Dois homens foram presos nesta terça-feira (13) em uma casa na Zona Sul de São Paulo falsificando dinheiro em casa. O lugar tinha tantas cédulas que ficou conhecido como Casa da Moeda do bairro da Saúde.

Segundo a polícia, no local havia o equivalente a R$ 3,62 milhões, US$ 4,3 mil e 100 euros.

Dentro da casa simples, no lugar de móveis havia máquinas impressoras, papel e tinta, a matéria-prima do crime. Folhas que tinham acabado de ser impressas e que os falsários ainda iam cortar nota por nota.

O processo de fabricação incluía as matrizes e equipamentos para secar o dinheiro. A impressão do dinheiro falso era sofisticada, a ponto de enganar com facilidade quem recebe as notas no dia a dia.

Uma cédula de R$ 100, por exemplo, tinha textura semelhante a uma nota verdadeira, além de filete que simula o microfilme do dinheiro e até marca d’agua com o símbolo da República.

Segundo a polícia, os criminosos espalhavam o dinheiro falso na boca de caixas eletrônicos: eles convenciam quem saía com dinheiro verdadeiro a trocar pelas notas frias, alegando que precisavam de dinheiro trocado.

O comércio da região também vinha pagando a conta da falsificação. O dono de uma padaria perdeu R$ 200.

Dois homens foram presos: o dono da casa, Nelson Yuji Sato Fukuhara, e o vizinho dele, Marcello Boussi. A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos detidos.

Segundo o delegado Carlos Cesar Rodrigues, cada um tinha uma função específica. “São técnicos: um especializado no papel, na impressão, e o outro especializado na tinta, no layout e outras coisas.”

Falsificar dinheiro é crime federal, com pena de 3 a 12 anos de prisão.

Comentários