Opinião – A Luta Por Uma Rodovia De Melhor Qualidade

Opinião – A Luta Por Uma Rodovia De Melhor Qualidade

Alertar sobre a necessidade da duplicação da BR 364, que praticamente “corta” Rondônia é um assunto que vem sendo debatido há tempo pelo RONDONIADINAMICA. A cobrança por uma rodovia em boas condições de tráfego é uma constância no site, porque se tem consciência da importância da 364 para a economia do Estado.

A preocupação em recuperar e duplicar a BR 364 não está relacionada apenas a economia regional, mas, sobretudo com a segurança dos que por ela transitam e não têm outra opção. A 364 é citada com constância como “Rodovia da Morte”, devido aos inúmeros acidentes com vítimas fatais ocorridos nos últimos anos.

Centenas de famílias já perderam entes queridos, a maioria devido à rodovia em condições precárias de utilização. A situação se agravou nos últimos anos em razão do volume elevado de carretas, com até 70 toneladas de carga que contribui para a rápida deterioração do piso, que foi construído na década de 80, quando a capacidade de carga dos veículos era bem menor.

O trabalho paliativo, que é feito todos os anos, de restauração de trechos é insuficiente para atender a demanda de veículos. A 364 tem que ser duplicada e a pista atual totalmente refeita, desde o alicerce.

Hoje Rondônia ainda é um produtor de soja sem maior expressão, mas o futuro sinaliza que o Estado em poucos anos, tendo como centro de produção Ariquemes e região estará produzindo em quantidade e com qualidade. O solo favorece. O momento para investir na soja é oportuno e o porto graneleiro de Porto Velho é o canal de exportação da produção de Rondônia e do Sul do Mato Grosso.

Como não temos ferrovia, meio muito mais barato e eficiente para o transporte da produção, no caso de Rondônia a agrícola, porque a indústria ainda é sonho, mais do que nunca dependemos da rodovia.

Sem a 364 restaurada e duplicada, a economia do Estado estará sempre sofrendo estrangulamento. Além de a morte estar sempre rondando, pois o movimento da rodovia é cada vez mais intenso. Também é importante registrar a irresponsabilidade de motoristas, que abusam da velocidade, das ultrapassagens forçadas e do “rebite” para suportar horas e horas de viagem.

Duplicação da BR 364-Já.